13.2 C
São Paulo
domingo, 21/07/2024

O voto secreto da fome na urna da esperança

Data:

Compartilhe:

A largada para campanha eleitoral 2022 foi dada na semana passada e, agora, cabe a nós brasileiros escolhermos o novo Congresso, as assembleias legislativas e, principalmente, o presidente que vai governar o Brasil nos próximos quatro anos. O desmonte social e econômico do governo Bolsonaro lançou milhares de brasileiros ao planeta fome — lugar obscuro onde não há comida, emprego, direitos, moradia, assistência social, saúde e educação. O Brasil retrocedeu três décadas em três anos e oito meses de governo. O pobre ficou miserável, a classe média encolheu e os investidores do mercado financeiro continuam nadando de braçada.

O Brasil, onde assalariado comprava casa própria, carro zero e viajava de avião nas férias, ficou no passado. Ao contrário dos investidores, o trabalhador nada no mar revolto da desesperança sem perspectiva de alcançar um porto seguro. Está difícil, mas vai passar! Faltam 41 dias para a gente virar essa página trágica da história do Brasil.

Precisamos exercitar o voto econômico útil para tirar o país desse abismo. O trabalhador perdeu direitos, mas principalmente a dignidade. Mais de 38 milhões de brasileiros ficaram inadimplentes, no primeiro semestre de 2022, por deixar de pagar despesas com alimentação. A crise econômica, que atingiu a mesa dos brasileiros, provocou o aumento de casos de crimes famélicos — aqueles motivados pela fome, como furtos de comida.

Para não se endividar ainda mais, o brasileiro deixa de levar para casa toda a comida que escolhe e coloca no carrinho do supermercado. O corte acontece na boca do caixa, quando o valor da conta passa do previsto. Entre janeiro e junho deste ano, 4,997 milhões de itens foram abandonados. Entre os itens que são abandonados estão: óleo, açúcar, leite e farinha de trigo. A queda no valor dos combustíveis não reduziu a inflação dos alimentos. Nos últimos doze meses, a inflação dos alimentos ficou em 14,72%, ante o IPCA de 10,07%.

E como Bolsonaro governa para o mercado financeiro e não para os mais vulneráveis, abriu uma linha de crédito consignado para os beneficiários do Auxílio Brasil. O dinheiro público, que deveria ser usado em gastos básicos de sobrevivência, servirá para turbinar os lucros dos bancos. Ele joga com o desespero e com a necessidade dos pobres.

Em 2019, Bolsonaro disse que a missão de seu governo era “desconstruir” e “desfazer muita coisa”, pois ele cumpre à risca o que falou. Assinou a própria confissão com ritos de intensa crueldade. É um ser desalmado!

Não se iludam companheiros! Está chegando a hora da gente dar um basta nisso. Vamos nos unir, depositar nosso voto na esperança para voltar a ser feliz.

Eusébio Pinto Neto é presidente da Feneposptro e do Sinpospetro/RJ

Clique aqui e leia mais artigos.

LEIA TAMBÉM:

DEMOCRACIA E PRATO CHEIO – POR JOSINALDO BARROS

EXCLUSIVO: ENSINO SUPERIOR PRIVADO MARCA GREVE

EXTRA TERÁ QUE PAGAR HORAS EXTRAS

PRECARIZAÇÃO DEVE FICAR NO PASSADO

Conteúdo Relacionado

Mobilização nacional pela redução das taxas de juros – Adilson Araújo

CTB na luta pela redução da taxa de jurosAproxima-se a data definida pelas centrais sindicais para a realização de uma manifestação nacional pela redução...

Morrer pobre não é opção: é uma imposição! – Eduardo Annunciato Chicão

Quantas pessoas você conhece que querem morrer pobres? Mesmo alguém mais simples, com pouca ou nenhuma escolaridade, que não foi dominado pela ambição materialista...

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo – Milton Cavalo

Uma conversa entre o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador do Distrito Federal, Izalci Lucas (PL), durante a última sessão ordinária da...

O bolsonarismo define estratégia para 2026: o Senado Federal – Marcos Verlaine,

Como o principal líder do bolsonarismo — apelido dado à extrema-direita brasileira — está inelegível até 2030 — esse segmento político, que até 2013...

O papel social do esporte -Ricardo Pereira de Oliveira

Um problema antigo no Brasil é a falta de continuidade nos projetos, obras ou iniciativas que dão certo.Por isso, considero um tremendo êxito o...