26 C
São Paulo
domingo, 19/05/2024

Professor aprova o ‘Nova Indústria’

Data:

Compartilhe:

Lançado dia 22, pelo governo federal, o programa “Nova Indústria Brasil” é uma iniciativa potente e ambiciosa para reindustrializar o País e mover amplas cadeias do setor produtivo, englobando tecnologia e qualificação profissional. Suas metas vão até 2033. Os segmentos contemplados são agroindústria, saúde, infraestrutura, tecnologia da informação, bioeconomia e defesa.

A Agência Sindical ouviu Antônio Corrêa de Lacerda. Ele é professor de Economia da PUC-SP, ex-presidente do Conselho Federal de Economia e integra a assessoria da presidência do BNDES, presidido por Aloizio Mercadante.

Corrêa de Lacerda destaca a oportunidade do programa. E comenta: “Após muitos anos sem uma política efetiva para o setor, o atual governo recolocou o tema na agenda e estruturou o programa necessário ao País”.

Ele também ressalta “as várias frentes que a iniciativa reuniu no Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, com representantes do empresariado, movimento sindical e do governo”. As diretrizes, observa Corrêa, seguem o que hoje se faz no âmbito internacional. “Um dos méritos é nortear-se pelo que está sendo feito em países que definiram projetos parecidos”, explica.

Desenvolvimento – Segundo o economista Antônio Corrêa de Lacerda, “o programa recoloca nosso País na linha de frente de uma política de desenvolvimento não só econômico, mas também social, capaz de beneficiar amplos setores produtivos e a sociedade”.

O docente, que também participou na elaboração do plano de governo do Gabinete de Transição, observa agora que o projeto, ou parte dele, já está em curso, pois a atuação do BNDES tem sido efetiva. Uma das suas expectativas é que o Nova Indústria gere empregos e aumente a renda.

Para o professor, apesar de não haver plano semelhante desde a década de 1970, “entre os anos de 2013 e 2014, o governo tentou ativar programas, que foram deixados de lado nas gestões Temer e Bolsonaro”.

Objetivos – Corrêa de Lacerda aponta: “Agora é necessário prosseguir com os objetivos de gerar emprego e renda, reinserir e requalificar os trabalhadores, assim como incentivar a indústria”. Para o professor, “cabe promover o programa em todos os níveis, uma vez que ele não é setorial”.

De acordo com Corrêa, “o desafio de reindustrializar o Brasil não pode perder de vista os trabalhadores e a sua maior capacitação, o que só contribuirá para o êxito do Nova Indústria”.

Recursos – Grande parte dos R$ 300 bilhões será financiada pelo BNDES, a Finep e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

A Nova Política engloba missões relacionadas à transição ecológica e à modernização do nosso parque industrial.

MAIS – Sites do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços e Fiesp.

Conteúdo Relacionado

Futebol dos Metalúrgicos volta domingo e arrecada para o Rio Grande do Sul

Ganha reforço neste domingo (19) a campanha do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região em prol das vítimas das enchentes do Sul. A...

Cartilha do MPT lista os atos antissindicais

O Ministério Público do Trabalho publicou a cartilha "Atos Antissindicais. O que fazer?". Documento idealizado pela Conalis - Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade...

Centrais farão Plenária

Quarta, 22, as Centrais Sindicais realizarão plenária em Brasília. A parte da manhã será dedicada a debater a Pauta Unitária aprovada na Conclat 2022,...

O Sul precisa de ajuda, diz líder frentista

O Sindicato dos Frentistas do Rio Grande do Sul fica no Centro de Porto Alegre, Capital. Na quarta, 15, às 11h50, a água ainda...

Sinpro Campinas completa 83 anos

quarta, dia 15, o Sinpro Campinas completou 83 anos. Integrante da Federação (Fepesp), a entidade representa o professorado da rede privada, além do Sistema...