23.8 C
São Paulo
terça-feira, 18/06/2024

Sindicalismo reforça ofensiva contra juros altos

Data:

Compartilhe:

O Banco Central desafia o próprio presidente Lula e mantém em 13,75% a taxa da Selic. A sigla quer dizer Sistema Especial de Liquidação e Custódia e está relacionada à política monetária que visa controlar a inflação.

Ocorre que esse patamar é abusivo, fazendo o Brasil campeão mundial do juro alto. Lula combate a política do Banco Central, que se aferra à autonomia obtida no governo Bolsonaro. Seu presidente, Roberto Campos Neto, é neoliberal. Ele afronta o governo, o setor produtivo e a classe trabalhadora. Por isso, está na alça de mira dos protestos.

Nesta sexta (16), as Centrais lançam a Campanha Nacional pela Redução dos Juros.

A luta inclui assembleias em locais de trabalho, panfletagens, atos públicos e outras ações.

No Estado de São Paulo, o início da jornada terá protesto em São Bernardo, chamado pelo Sindicato dos Metalúrgicos. Segundo seu presidente Moisés Selerges, a mobilização visa esclarecer sobre os prejuízos ao povo com Selic tão exagerada. “Ao não baixar os juros, mesmo com todos os indicadores da economia mostrando ser necessário, o Banco Central age contra o crescimento do País”, denuncia o sindicalista.

Terça, 20, o Comitê de Política Monetária inicia reunião pra decidir a taxa nos próximos meses. Na data, haverá mais atos em todos os Estados onde o Banco Central tem sede. Na Capital paulistana, será às 10 horas, no BC, na Avenida Paulista.

Dieese – Para Victor Pagani, supervisor-técnico Regional do Dieese SP, ao manter taxa tão alta, o BC prejudica o mercado de trabalho. Ele alerta também que Selic a 13,75% reduz o consumo e prejudica o comércio, que já enfrenta concorrência desleal de plataformas estrangeiras.

Pagani cita algumas consequências: “As pessoas têm dificuldades pra parcelar compras e dívidas. Isso se reflete no mercado, dificultando a retomada do crescimento econômico com geração de empregos”. Ele concedeu entrevista ao Seu Jornal, da TVT. Clique aqui e assista. 

Força – A Central Força Sindical sintetiza seu discurso: “Menos juros e mais empregos!”

MAIS – Acesse o site das CentraisMetalúrgicos do ABC  e Dieese.

Conteúdo Relacionado

Metalúrgicos de Catalão conquistam avanços

Depois de muita negociação, terminou com boas notícias a Campanha Salarial 2024/2025 da John Deere, no Catalão, em Goiás. Os metalúrgicos conseguiram conquistar reajuste...

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...