23.4 C
São Paulo
sábado, 15/06/2024

Sindicalista Magri faz mudança audaciosa

Data:

Compartilhe:

Entre meados dos anos 70 e durante a década de 80, ele foi um dos principais dirigentes brasileiros. Do alto do seu porte, forjado na picareta da Ligth e nas artes marciais, ele comandou os Eletricitários e também a CGT. No começo dos anos 90, foi ministro do governo Color, na Pasta do Trabalho e da Previdência. Saiu da política, trabalhou como assessor sindical e hoje, com 82 anos, volta à lida classista.

Antônio Rogério Magri preside agora o Sindicato dos Professores de Educação Física no Estado de São Paulo. Inquieto, ele propõe mudanças no sindicalismo.

Magri falou à Agência Sindical. Principais trechos:

Lula – “Eu e ele atuávamos em campos sindicais opostos. Mas sempre tive uma ótima relação com o Lula. Sua liderança era e continua inquestionável”.

Retorno – “Não sou formado, mas professor provisionado por décadas de dedicação ao judô, karatê e a outras atividades ligadas ao condicionamento físico. Portanto, atuo numa área que conheço bem e cresce. O Estado já tem cerca de 15 mil academias”.

Sindicalismo – “O mundo do trabalho mudou, a cultura trabalhadora também vem mudando. As direções sindicais precisam estar atentas a essas mudanças, impulsionadas agora pelas novas tecnologias, aulas a distância e outras ferramentas de trabalho e comunicação”.

Diálogo – “O desafio é fortalecer a relação com a base, dialogar com os trabalhadores, entender o que eles pensam a respeito dos próprios Sindicatos e responder às demandas. Tenho visitado clubes e academias e vejo que é preciso tornar permanente essa troca de ideias”.

Sócios – “Tomamos uma decisão ousada em nosso Sindicato. Todos os que não apresentaram cartas de oposição ao custeio da entidade passam a ser considerados sócios, com direito a vez, voz, a votar e a ser votado na entidade. Quem não quiser ficar associado é só procurar o Sindicato e se manifestar. Sei que essa tese é polêmica, mas entendo que ela fará bem ao movimento sindical”.

Base – “É preciso ampliar a participação. Penso que nossa decisão democratiza o Sindicato. Por que temer a categoria, se todos são trabalhadores e buscam direitos, garantias e condições melhores no trabalho e para suas vidas?”

Delegados – “Nosso próximo passo é eleger delegados sindicais em todo o Estado, oferecendo depois cursos, palestras, com qualificação sindical e política a esses companheiros e companheiras”.

Para atuar como professor de educação física o profissional precisa hoje ter formação acadêmica. Tempos atrás, ele se formava por meio da prática. A categoria é celetista e o regramento das relações capital-trabalho se dá via Convenção Coletiva.

MAIS – Site do Sinpefesp. Telefone (11) 3051-2704 ou WhatsApp (11) 97537.7896/99453.6507.

Conteúdo Relacionado

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...

Químicos de Rio Claro fazem Curso de Fortalecimento da CIPA

O Sindicato dos Químicos de Rio Claro e Região, em parceria com o DIESAT e com o apoio da FEQUIMFAR, realiza entre os dias 10...