21.7 C
São Paulo
sexta-feira, 19/04/2024

Sindicato denuncia novo recorde no déficit de policiais civis em SP

Data:

Compartilhe:

A Polícia Civil de SP acumula perdas sucessivas de profissionais.

O déficit nos quadros das delegacias, por exemplo, alcançou um novo recorde no estado em novembro deste ano, com um total de 16.149 cargos vagos.

Quem faz a denuncia é o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) que criou o “Defasômetro”. A ferramenta contabiliza as perdas em Recursos Humanos sem reposição.

Atualmente, dos 41.912 cargos previstos para a Polícia Civil, somente 25.763 estão ocupados, o que representa um déficit de 38,5%. Cinco anos atrás, quando a defasagem já era considerada elevada, o índice era de 27,2%, alerta a presidente do Sindpesp, a delegada Jacqueline Valadares. “São 16 mil profissionais a menos. A alta defasagem impacta na investigação de crimes, na segurança do cidadão e nas condições de trabalho do agente, que fica sobrecarregado”, ela afirma.

A carreira com mais cargos vagos, de acordo com o Sindicato, é a de investigador (3.994), seguida da de escrivão (3.805). A função de agente policial (1.510) é a terceira com maior defasagem, quase empatando com as carreiras de delegado (958) e de agente de telecomunicações (953).

A pesquisa mostra, ainda, que 98 policiais se desligaram das funções em novembro, em sua maior parte, por aposentadorias ou exonerações. No período, e a exemplo do que ocorre nos últimos anos, apesar da existência de candidatos aprovados em concursos para a Polícia Civil, não foram realizadas nomeações por parte do Estado para recompor o quadro.

“É necessário ter uma reestruturação, que incentive este policial a permanecer na carreira. As desistências são preocupantes”, alerta a dirigente.

A presidente do Sindpesp aponta outros três grandes problemas no setor: desvalorização salarial, falta de investimento em material e em investigação. “Há uma grande preocupação do estado para o acesso da população no registro do Boletim de Ocorrência. Contudo, não há o mesmo empenho em estruturar equipes que possam instaurar os inquéritos e investigar os conteúdos dos Boletins de Ocorrência”, denuncia Jacqueline.

MAIS – Acesse o site do Sindpesp.

Conteúdo Relacionado

Escola do Sinpro SP promove novos cursos

A Escola de Professores do Sinpro SP está com vagas abertas para dois novos cursos neste mês de abril. A programação é voltada para...

Portuários fazem paralisação em 14 portos do país

Trabalhadores portuários de diversas regiões do País fizeram uma paralisação de seis horas na manhã de quinta-feira, 18. A ação abrangeu 14 dos 32...

Sindicalismo mantém ganhos reais elevados

Segue alto o índice dos aumentos reais nas negociações coletivas. A avaliação é do Dieese, que publica o boletim mensal "De Olho nas Negociações". O...

Metalúrgicos de Guarulhos vão inaugurar trilha no Clube de Campo

O Clube de Campo do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região é a maior e mais completa área de lazer da cidade. E...

Frentistas do Rio conquistam aumento de 7,3%

Avanços para os 11 mil trabalhadores em postos de combustíveis do Município do Rio de Janeiro. A Comissão de Negociação, que representa os empregados,...