19.2 C
São Paulo
quarta-feira, 29/05/2024

União nacional contra a pandemia, orienta Vargas Netto

Data:

Compartilhe:

No século XIX, entre 1831 e 1840, o Brasil quase se desintegrou. No período, houve a abdicação de D. Pedro I e o golpe da maioridade, que pôs Pedro II no poder. O País entrou numa situação caótica, com diversas revoltas de caráter separatista. “Quase o Brasil se perdeu. Estamos hoje numa situação semelhante, que exige união nacional”, alerta João Guilherme Vargas Netto, analista político e consultor sindical.

Ele participou sexta (29) da live na Agência Sindical. Vargas Netto afirma: “É preciso união nacional pra combater a pandemia e evitar a instauração do caos social”. A sua orientação é de que o povo participe nos Sindicatos, partidos, grêmios e em outras entidades agregadoras. União, ele ressalta, “é algo amplo, ainda mais amplo que a própria frente ampla”.

O analista afirma que é preciso sabedoria na condução do surto da Covid-19, como outros países fizeram, além de lucidez pra enfrentar a doença e suas consequências maléficas. “É preciso resistir ao desmanche da nossa economia, garantindo as condições do trabalhador”, alerta.

Para Vargas Netto, é importante que a palavra de ordem seja o isolamento social e que se criem protocolos de controle, pois existe a tendência ao relaxamento, principalmente no ambiente de trabalho. Ele recomenda: “Uso da máscara, a higiene das mãos e a tomada de temperatura no início da atividade laboral”.

MP 936 – O consultor sindical avalia a votação da Medida Provisória 936 na Câmara. Nem todas as batalhas podem ser vencidas, mas a movimentação do deputado Orlando Silva (PCdoB), com as Centrais Sindicais, para melhorar a MP, trouxe avanços ao trabalhador.

Vídeos – Segundo João Guilherme, os dirigentes têm se aproveitado da potencialidade da relação virtual com os trabalhadores. A gravação diária, curta e incisiva é importante para o diálogo entre direção e base.

Auxílio – A ajuda pra cada brasileiro deve ser o norte no combate à pandemia. “Se computarmos toda a população, incluindo os desempregados, a renda média do brasileiro é inferior a R$ 600,00. Esse auxílio, portanto, é luz no meio e no fim do túnel”, comenta. Ele afirma ser preciso ressaltar que o Auxílio Emergencial não veio da parte do presidente Bolsonaro, e sim da movimentação entre partidos de oposição no Congresso, Centrais Sindicais e movimentos sociais.

Desafios – O País vive um momento grave e, para atravessar essa fase, é necessário que o povo participe, junto com os setores de oposição, para ocupar seu lugar nessa busca de alternativa. “É preciso preparar uma saída para o Brasil que seja compatível com as necessidades da população”, afirma.

Mais – Clique aqui e assista à entrevista completa no Facebook da Agência Sindical.

Conteúdo Relacionado

Brinks Limão elege nova Cipa

Dia 22, ocorreu nova eleição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) na Brinks Limão, em São Paulo.Acompanharam as votações, das 5 da...

Clube e Colônia dos Metalúrgicos ficarão abertos no feriado

O feriado prolongado, de quinta a domingo, estimula o lazer das famílias e a prática de esportes. Portanto pra quem vai emendar o feriado...

Sindicalista Magri faz mudança audaciosa

Entre meados dos anos 70 e durante a década de 80, ele foi um dos principais dirigentes brasileiros. Do alto do seu porte, forjado...

Frentistas do Paraná fecham Convenção

Em negociação conjunta, os Sindicatos de Trabalhadores de Posto de Combustíveis e Lojas de Conveniência de Cascavel, Ponta Grossa, Londrina, Curitiba e Maringá fecharam,...

Conheça a nova Pauta Sindical

Dia 22, a plenária das Centrais Sindicais atualizou a Pauta Unificada da Classe Trabalhadora aprovada em abril de 2022, com 63 itens. O documento...