Ao longo desta quarta (24), milhares de pessoas estarão mobilizadas no Dia Nacional de Luta em defesa da vida, da vacina, do emprego e do Auxílio Emergencial de R$ 600,00 para desempregados e informais.

Convocados pelas Centrais e demais entidades sindicais, além de movimentos sociais, ocorrerão atividades em diversas cidades do País, sempre respeitando o distanciamento social.

Serão feitas panfletagens em praças públicas, terminais de ônibus, trens e metrô; carros de som com mensagens de alerta ao povo brasileiro; atos simbólicos; audiências públicas; carreatas; e forte mobilização nas redes sociais. Os sindicalistas também visitarão locais de trabalho.

Covid-19 – No Brasil, já são quase 3 mil mortes diárias após um ano de pandemia. Para as Centrais, o Brasil se tornou “um exemplo mundial de fracasso e de falta de políticas públicas para conter a disseminação do coronavírus”.

Segundo Sérgio Nobre, presidente da CUT, o objetivo é provocar a reflexão na população sobre o tamanho da tragédia e os verdadeiros culpados. “Mais de duas mil pessoas estão morrendo por dia vítimas da Covid-19 e o governo federal ainda não criou sequer um comando nacional de combate à doença. O povo tem de saber que a falta de governo e a inexistência de planejamento são responsáveis por essa crise sanitária, social e econômica que vivemos”, completa o dirigente.

CTB – Segundo Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, as entidades estão firmes no combate às crises econômica e sanitária. O governo, ele diz, é responsável pela lentidão na vacinação. “A Pfizer ofereceu doses do imunizante. Mas o governo fez pouco caso pros perigos da doença”, critica.

Auxílio – Os sindicalistas também travam luta no Congresso Nacional pela elevação do valor do Auxílio Emergencial. Como na primeira etapa, os sindicalistas defendem parcelas de R$ 600,00, no mínimo.

“Esperamos que o Congresso tenha sensibilidade e modifique a Medida Provisória, pois quatro parcelas de R$ 250,00 são insuficientes pra quem necessita sobreviver”, afirma Miguel Torres, presidente da Força Sindical. Ele completa: “Defendemos inclusive que prefeituras e governos estaduais criem seus auxílios emergenciais próprios, se for o caso, como complemento ao nacional”.

Plenária – Os presidentes das Centrais promovem live nesta quarta (24) às 11 horas. O evento será transmitido pelas redes sociais das entidades.

Basta – Das 14 horas às 17 horas, o Movimento Basta! promove Plenária Virtual. Além da pauta geral, a atividade vai chamar a atenção para os perigos da Proposta de Emenda Constitucional 32, a PEC da Reforma Administrativa. “Esse ato público será decisivo na conscientização contra os abusos da PEC 32, que desmonta o setor público brasileiro”, afirma Rudinei Marques, presidente do Fonacate (Fórum das Carreiras de Estado).

Mais – Acesse o site das Centrais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui