Entidades debatem protocolo para audiovisual

0
534

Trabalhadores na indústria cinematográfica e entidades patronais do setor buscam definir um protocolo de trabalho ante a pandemia do coronavírus. São várias as iniciativas.

Um delas ocorreu em 28 de maio, por videoconferência. Participaram Simonni Mendonça, presidente da Siaesp – o sindicato patronal da indústria do audiovisual no Estado de São Paulo; Marianna Souza, presidente da Apro – associação das produtoras; Sonia Santana, presidente do Sindicine – que representa os trabalhadores do setor; e José Alexandre, presidente da Abele – associação das locadoras de equipamentos audiovisuais.

O debate não tratou só da retomada das atividades. Foram abordadas, ainda, questões, como medidas de prevenção, novos caminhos na produção e exemplos adotados em outros países.
Sonia Santana destaca que houve grande interesse. Ela diz: “O limite de participação era de 500 pessoas. Mas 1.800 mostraram interesse”. Para a dirigente, “as condições não serão mais as mesmas, porque a pandemia vai mudar inclusive as relações com os clientes”. Ela também vê mudanças e redução nas jornadas.

Formas – A busca desse protocolo se apoia na questão trabalhista e nas condições de trabalho. “Na parte trabalhista, os debates ficam entre representantes de trabalhadores e dos empregadores – ou seja, de sindicato pra sindicato”.

Quando finalizado, o protocolo deverá ser encaminhado à Prefeitura, à SPCine e a outras entidades. Sonia Santana adianta que será necessário limitar o número de pessoas por ambiente de trabalho ou dentro de um set, mantendo-se o distanciamento. A abrangência deverá cobrir as atividades da indústria do audiovisual. A dirigente antevê crescimento do trabalho remoto ainda.

Exterior – Países que retomaram as atividades no setor de audiovisual, por dispor de uma base hospitalar robusta, registram baixa ocupação nas UTIs, relata Sonia Santana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui