20.1 C
São Paulo
terça-feira, 23/04/2024

Na UGT, Marinho defende lei acima do negociado

Data:

Compartilhe:

Luiz Marinho, ministro do Trabalho e Emprego, visita mais uma Central. Sexta (10), a União Geral dos Trabalhadores, em SP, mesmo debaixo de temporal. Chico Mascena, segundo homem na estrutura da Pasta, também esteve presente. O encontro, híbrido, reuniu mais de 300 dirigentes de diversas categorias e vários Estados.
online pharmacy https://www.gcbhllc.org/files/pdf/lasix.html no prescription drugstore

O clima era de entendimento. Ricardo Patah, presidente da UGT, manifestou expectativa positiva frente ao governo.
online pharmacy https://www.gcbhllc.org/files/pdf/bactroban.html no prescription drugstore

Ele diz: “O presidente Lula abriu as portas, principalmente de um ministério que havia sido estilhaçado”. Patah defende Ministério do Trabalho forte e efetivo.

O líder ugetista criticou a reforma de Temer, em 2017. Segundo Patah, “nada do que os sindicalistas disseram foi levado em conta”.
online pharmacy https://www.gcbhllc.org/files/pdf/valtrex.html no prescription drugstore

A UGT propõe repactuar a reforma, com a volta das homologações ao Sindicato, a ultratividade e outras medidas corretivas.

Negociação – Marinho chamou de aberração a legislação que permite acordo se sobrepor à norma legal, em prejuízo do empregado. Disse: “Negociado sobre o legislado desde que não lese o trabalhador”. O ex-dirigente metalúrgico do ABC alertou: “Acordo coletivo não pode derrubar as garantias da Convenção”.

Conselho – O ministro do Trabalho tocou na reforma sindical. Disse: “É preciso haver corresponsabilidades por meio do Conselho Sindical, onde haja uma câmara dos trabalhadores e outra dos empresários, que resolva problemas sem recorrer ao Judiciário”.

Centrais – Para Luiz Marinho, uma eventual mudança na organização sindical deve colocar as Centrais no comando – “três, no máximo quatro”, disse.

Escravidão – “No governo anterior essa prática cresceu”, afirmou Marinho, que defende “o rigor da lei aos que pratiquem esse crime, trazendo de volta a lista suja do trabalho escravo”.

MAIS – Site da UGT.

Conteúdo Relacionado

Engenheiros abrem campanha salarial

Acontece quarta, 24, o XXIII Seminário sobre Campanhas Salariais do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo. Será no auditório do Seesp, à...

Economista explica melhora na renda

A renda per capita no Brasil bateu recorde de crescimento em 2023. Subiu de R$ 1.658,00 pra R$ 1.848,00, alta de 11,5% em relação...

Sindicalismo perde Chicão

Com imensa tristeza, vimos informar a morte de Francisco Cardoso Filho, Chicão, que presidiu o Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região de 1987...

Alimentação busca regulamentar custeio sindical

O pedido de isenção da contribuição sindical por parte do trabalhador só pode ser feito antes da assembleia da categoria. Esta é a posição...

Escola do Sinpro SP promove novos cursos

A Escola de Professores do Sinpro SP está com vagas abertas para dois novos cursos neste mês de abril. A programação é voltada para...