17.2 C
São Paulo
domingo, 21/04/2024

O momento não é de divisão – Por Adilson Araújo

Data:

Compartilhe:

A unidade das Centrais Sindicais e dos movimentos sociais e a construção da frente ampla foram fundamentais para êxito da vitória política eleitoral.

O novo ciclo inaugurado com a posse do presidente Lula em 1º de janeiro revela que não encontraremos facilidades frente à degradação do ambiente político, seja pela frágil correlação de forças que nos encontramos, seja pelo desmonte do Estado promovido durante o desgoverno Bolsonaro.

O diagnóstico por si só indica que, preservada a nossa autonomia e independência de governos e patrões, teremos a responsabilidade de lutar pela governabilidade do projeto que ajudamos eleger, ao tempo que reforçamos a unidade, a mobilização e a luta por mudanças emergenciais.
https://thecifhw.com/wp-content/uploads/2022/10/png/azithromycin.html

Um grande pacto com o povo e um pacto entre a produção e o trabalho sinalizam uma condição necessária para retomada da reindustrialização do país. Essa tarefa demandará grande capacidade de articulação política, centralidade e atenção da nossa parte.

O momento nos cobra cautela. Não é de divisão, nem tão pouco de polarização entre nós.
https://thecifhw.com/wp-content/uploads/2022/10/png/vibramycin.html

Precisamos atuar em conjunto para dar força ao programa de reconstrução e transformação do Brasil.
https://thecifhw.com/wp-content/uploads/2022/10/png/finasteride.html

Essa é a tarefa fundamental para nos unirmos. Seguir a luta defendendo a unidade do movimento sindical enquanto empreendimento essencial para as mudanças que o país tanto necessita.

Temos que destinar centralidade e atenção ao novo projeto nacional de desenvolvimento, com foco na valorização do trabalho, defesa da democracia, soberania e direitos.

“Vale observar que no limite da instabilidade e insegurança que ainda vivemos, só nos resta um caminho: unidade, resistência e luta. […] A reconstrução nacional e a criação de condições para a concretização de um novo projeto nacional de desenvolvimento, com democracia, soberania e valorização do trabalho, demandam uma grande mobilização e unidade das forças democráticas e populares para isolar a extrema direita, criar uma nova correlação de forças e reunir uma ampla frente política e social em apoio às mudanças, sob a liderança da classe trabalhadora”, reforça um trecho da Resolução Política da CTB de 9 de janeiro de 2022.

Adilson Araújo é presidente da CTB

LEIA – Clique aqui e leia o artigo completo.

MAIS – Acesse o site da CTB.

Conteúdo Relacionado

Trabalhadores marcharão à Brasília por democracia e justiça – Ismael Cesar

Deliberado no Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores, ocorrido em outubro de 2023, a Marcha da Classe Trabalhadora à Brasília, está marcada para...

Escola do Sinpro SP promove novos cursos

A Escola de Professores do Sinpro SP está com vagas abertas para dois novos cursos neste mês de abril. A programação é voltada para...

Portuários fazem paralisação em 14 portos do país

Trabalhadores portuários de diversas regiões do País fizeram uma paralisação de seis horas na manhã de quinta-feira, 18. A ação abrangeu 14 dos 32...

Sindicalismo mantém ganhos reais elevados

Segue alto o índice dos aumentos reais nas negociações coletivas. A avaliação é do Dieese, que publica o boletim mensal "De Olho nas Negociações". O...

A importância e os desafios das frentes parlamentares – Antônio Augusto de Queiroz

As frentes parlamentares e bancadas informais desempenham papel relevante no cenário político, representando forma interessante de articulação, representação e influência para interesses diversos. Compostas...