23.8 C
São Paulo
terça-feira, 18/06/2024

Presidente da Força volta otimista da China

Data:

Compartilhe:

“Foi uma viagem curta, agenda carregada, mas extremamente positiva”. É o balanço de Miguel Torres, presidente da Força Sindical, que integrou a comitiva do governo Lula, na recente viagem à China. Miguel retornou ao Brasil dia 16 e falou com exclusividade à Agência Sindical.

A visita inicial duraria seis dias, mas teve de ser adiada devido a pneumonia que atingiu Lula. Na prática, foi reduzida a três dias de atividades em solo chinês. Houve encontro entre Lula e o líder máximo da China Xi Jinping, com a presença dos sindicalistas brasileiros.

“Nossa agenda também foi oficial porque integrávamos a comitiva do governo”, explica Miguel. Ainda assim, os dirigentes brasileiros tiveram tempo de se reunir com a Federação Nacional local, que representa mais de 300 milhões de trabalhadores. O presidente da Federação é o vice-presidente da República Popular da China.

“Na pandemia, os companheiros tentaram ajudar o Brasil de todo jeito. Primeiro, enviariam 300 mil dólares. Mas o bolsonarismo reagiu agressivamente. Então, eles enviaram um lote de respiradores de última geração, que ficou retido na alfândega até o ano passado”, afirma o líder forcista.

A entidade chinesa foi convidada para o 1º de Maio das Centrais brasileiras. Mas o tempo é exíguo. Segundo o presidente da Força, “ficou acertada uma viagem dos dirigentes da Federação para o segundo semestre ou começo do próximo ano”. Ele vê amplas possibilidades de cooperação.

A delegação sindical foi integrada, além de Miguel, por Sérgio Nobre, presidente da CUT, Ricardo Patah, presidente da UGT, e Moisés Selérges, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Região.

Investimentos – Miguel Torres está confiante em mais investimentos da China em nosso País. “Os governos assinaram diversos acordos de cooperação tecnológica e de negócios”, reforça.

“Avançamos nos entendimentos pra instalar aqui uma fábrica de ônibus elétricos”, ele conta. A delegação brasileira também visitou os escritórios da Huawei, poderosa empresa do ramo de celulares e tecnologia.

Barracos – Miguel conta que observou na China um povo feliz e altivo. “Lá não se vê barraco ou gente morando na rua. Mendigo pedindo esmola não vi um só”, ele relata.

MAIS – Sites da Força, CUT e UGT.

Conteúdo Relacionado

Metalúrgicos de Catalão conquistam avanços

Depois de muita negociação, terminou com boas notícias a Campanha Salarial 2024/2025 da John Deere, no Catalão, em Goiás. Os metalúrgicos conseguiram conquistar reajuste...

Cesta básica sobe, mostra o Dieese

Pesquisa mensal do Dieese apura que em maio o valor do conjunto de alimentos básicos aumentou em 11 das 17 Capitais. A Pesquisa Nacional...

Sindicato de Niterói firma aditivo com avanços

Mais uma vitória para uma grande parcela de frentistas no Estado do Rio de Janeiro. Desta vez, de Araruama, Cachoeira de Macacu, Guapimirim, Iguaba...

Miguel da Força defende democracia e inclusão

Na quarta (12), Miguel Torres falou em nome do sindicalismo nacional e da classe trabalhadora na Conferência da Organização Internacional do Trabalho, em Genebra,...

CUT debate os impactos dos parques eólicos para a classe trabalhadora

A CUT debateu nesta terça-feira (11) e quarta-feira (12) em Natal, no Rio Grande do Norte, os impactos dos parques eólicos nas comunidades locais,...