O presidente da República, Jair Bolsonaro, tentou intimidar os Servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A fala ocorreu durante live nesta quinta (16). Segundo o chefe do Executivo, o governo irá cobrar a divulgação do nome dos responsáveis pela autorização da vacinação contra a Covid-19 em crianças e adolescentes.

“Não sei se são os diretores e o presidente que chegaram a essa conclusão ou é o tal do corpo técnico. Mas, seja qual for, você tem o direito de saber o nome das pessoas que aprovaram aqui a vacina a partir dos cinco anos para seu filho”, afirmou Bolsonaro.

Diante da ofensiva bolsonarista, a Associação dos Servidores da Anvisa (Univisa) emitiu Nota de repúdio às tentativas de intimidação de Jair Bolsonaro. Segundo a entidade, além dos especialistas da Agência, a análise técnica contou com a participação de especialistas da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sociedade Brasileira de Imunologia e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

“Recentemente, com os rumores de possível decisão nesse teor, diretores e Servidores da Anvisa sofreram ameaças”, relata o documento da Univisa. De acordo com os Servidores, o pano de fundo para essa intimidação são os discursos negacionistas e anticientíficos.

“A intenção de se divulgar a identidade dos envolvidos na análise técnica não traz consigo qualquer interesse republicano”, denuncia a Associação. “Mostra-se como ameaça de retaliação que vale-se da incitação ao cidadão, método abertamente fascista”, prossegue a Nota.

“A Univisa repudia qualquer ameaça proferida, bem como a quaisquer tentativas de intervenção sobre o posicionamento da autoridade sanitária que não advenham do debate estritamente científico e democrático”, conclui a Nota dos Servidores da Anvisa.

LEIA – Clique aqui e leia a Nota na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui