Um desentendimento durante horário de café na manhã de segunda (6), na empresa Sulcromo, em São Leopoldo (RS), resultou na morte de um trabalhador. Marcelo Camillo, de 36 anos, foi atingido por golpes desferidos por um colega de trabalho. O caso chocou o movimento sindical.

Diante disso, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo prestará todo apoio à família de Marcelo. Quem informa é o diretor da entidade, Genilso Vargas Rosa. “Foi uma fatalidade dentro de uma metalúrgica. Estamos entrando em contato com os familiares pra prestar apoio”, afirma Genilso.

Em Nota, a entidade exige que o caso seja apurado e esclarecido. “Sabemos que onde não há condições dignas de trabalho, o ambiente por si só torna-se insalubre e prejudicial à vida dos trabalhadores”, diz o documento. Segundo o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo, o caso está sob investigação da Polícia Civil.

Diálogo – “Estivemos na fábrica para conversar com os trabalhadores, porque havia preocupação dos companheiros. Isso abala muito o ambiente”, conclui Genilso Vargas Rosa.

Segurança – O local de trabalho deve ter segurança para os funcionários. No documento emitido nesta terça (7), o Sindicato faz um apelo: “É imprescindível que as empresas garantam um ambiente seguro para a vida das pessoas”.

Nota – Leia abaixo a Nota do Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo.

Nota de repúdio à violência que culminou com a morte trágica de um trabalhador dentro da empresa

O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Leopoldo e Região (STIMMMESL) repudia veementemente a violência, que culminou com a morte trágica de um trabalhador dentro da empresa Sulcromo, de São Leopoldo. Identificado como Marcelo Camillo, 36 anos, ele foi encaminhado ao Hospital da Unimed de São Leopoldo, onde sofreu uma parada cardíaca e veio a óbito.

Na manhã de segunda-feira (6), após um desentendimento por tomar café no horário de trabalho, o metalúrgico foi atingindo com golpes provocados por arma branca.

A empresa tem histórico más condições de trabalho, inclusive com diversas denúncias feitas ao Sindicato, como problemas na insalubridade, perfuração de septo nasal pelo trabalho em cromo e carga horária de trabalho excessiva.

O Sindicato exige que o crime seja apurado e esclarecido. Sabemos que onde não há condições dignas de trabalho, o ambiente, por si só, torna-se insalubre e prejudicial a vida dos trabalhadores. É imprescindível que as empresas garantem um ambiente seguro para a vida das pessoas.

Este caso é um espelho da realidade de um governo que incentiva a violência e o uso de armas. É visível o aumento de feminicídios e assassinatos em locais de trabalho, que se não combatido torna-se uma normalidade.

O STIMMMESL lamenta profundamente o ocorrido e manifesta o seu pesar e solidariedade aos familiares e amigos de Marcelo Camillo.

Marcelo Camillo, presente!

Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Leopoldo e Região

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui