A alta persistente no custo de vida, especialmente nos alimentos, está fazendo renascer o movimento contra a carestia. Em São Paulo, vários núcleos já se formaram e reuniões ocorrem em diversos pontos da cidade. Quarta (27) à noite, um desses grupos fez a terceira reunião na Câmara de Vereadores.

O Movimento Contra a Carestia foi muito forte no final dos anos 70 e na década de 80, quando a inflação explodiu. O sindicalismo teve forte participação, deu apoio e ajudou nas mobilizações. Um dos pilares daquele movimento foram as Associações de Mulheres. A Igreja Católica também jogou peso importante.

Atos – Em Guarulhos, Grande SP, na manhã desta sexta (29), o movimento sindical e popular comandará protesto em frente a um hipermercado, próximo ao Shopping Maia. Diversos Sindicatos, quatro Centrais e várias associações apoiam.

Início – O metalúrgico José Barros da Silva Neto coordena a Força Sindical Regional Guarulhos. Ele afirma: “Estamos iniciando um movimento. Mas nos contatos e distribuição de nosso panfleto dá pra sentir que população está muito angustiada com os aumentos”. A queixa maior popular é com a subida nos preços dos alimentos.

SP – Ex-vereadora na Capital, Lídia Correia é uma das articuladoras de reuniões. Segundo ela, “a ideia do combate à carestia tem sido muito bem recebida nos bairros e as mulheres são as que mais nos apoiam, porque a mulher é quem sente diretamente na pele o impacto da carestia”.

Povo – O esforço dos organizadores é levar uma mensagem objetiva à população. O dirigente José Barros observa: “Deixamos claro que não tem nada de político e partidário no nosso movimento. E as pessoas nos apoiam quando entendem que o movimento tem meta definida, que é combater a inflação”.

Igrejas – Veterano das lutas sociais e trabalhistas, o advogado Chico Bezerra tem procurado fazer a ponte com o movimento religioso. Ele comenta: “Crente, católico, espírita ou umbandista, todas as famílias estão sofrendo com a carestia”. Para Chico Bezerra, “o apoio das igrejas ajudaria muito a ligar nosso movimento com a massa popular”.

Inflação – Os índices estão subindo. Em abril chegou a 12,03% a inflação medida pelo IPCA-15. Em março, havia ficado em 10,79%. O jornal Valor Econômico desta quinta (28)  traz de manchete: “Indústria e varejo têm nova onda de reajuste de preços”. Ou seja, a alta de preços continua.

MAIS  – Barros (11) 97144.0339; Chico (11) 97759.0789; e Lídia (11) 96443.8239.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui