Trabalhadores essenciais, que ficaram impedidos de praticar o distanciamento social, fazem parte do grupo de risco. É o que aponta artigo assinado por membros do Diesat e outras entidades sanitárias.

Para os pesquisadores, a exposição aumenta as insuficientes medidas de proteção e segurança. Além disso, essas pessoas expostas se transformam em vetores na cadeia de transmissibilidade da doença.

O risco que esses trabalhadores correm se torna exponencial por três vias de exposição: o trabalho superexplorado, as determinações sociais e as condições de vida e saúde anteriores à pandemia.

Pensando nisso, o Diesat criou a Rede de informação e comunicação sobre a exposição de trabalhadores ao SARS-COV2 no Brasil. Esse trabalho desenvolve soluções digitais de informação e comunicação sobre os trabalhadores expostos à Covid-19.

O projeto foi desenvolvido em parceria com a Fiocruz e a Universidade Federal da Paraíba. Coordenador-técnico do Diesat, Eduardo Bonfim explica que esse material será esclarecedor à classe trabalhadora. Ele alerta: “A partir do momento que os trabalhadores tiverem acesso à nossa rede de informação, eles poderão se prevenir de uma maneira melhor”.

Leia – Clique aqui e leia o estudo completo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui