A partir do dia 1º, foi instituído o novo salário mínimo nacional, de R$ 1.212,00. O valor, que representa uma alta de R$ 112,00 em relação aos R$ 1.100,00 vigentes ao longo de 2021, não apresenta um aumento real, sendo apenas corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

De acordo com informações do Dieese, o salário mínimo serve de referência para 56 milhões de pessoas no Brasil, das quais 24 milhões são beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O salário mínimo regional serve de referência, sobretudo, para os trabalhadores do setor privado que pertencem a categorias não contempladas em acordos coletivos ou convenções, como domésticos.

O diretor-adjunto do Dieese, José Silvestre, lembra que a política de valorização do salário mínimo foi interrompida no governo de Michel Temer (MDB) e segue sem avanços na gestão Bolsonaro (PL).

“Entre 2003 e 2016, houve um ganho real efetivo do salário mínimo. É lamentável o fim dessa política, pois tinha efeitos positivos na economia do País”, afirmou ao Jornal Brasil Atual.

“Existe um incremento em termos de renda na economia que chega a R$ 81 bilhões.

Além disso, há outros R$ 44 bilhões que chegam aos cofres públicos, por meio de arrecadação tributária, por conta desse aumento do salário mínimo.

Portanto, a política de valorização é um instrumento importante para a economia”, acrescentou Silvestre.

O Dieese também aponta que o custo de cesta básica deve chegar a R$ 700,00 em São Paulo no mês de janeiro. Portanto, o piso nacional conseguiria comprar apenas 1,73 cesta básica na capital paulista. “Houve o aumento da inflação no ano passado e nas camadas mais pobres essa elevação foi mais sentida”, lamentou o diretor-adjunto do Dieese.

*Fonte – Rede Brasil Atual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui