A primeira turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou o banco Santander por imposição de metas abusivas. O caso foi em Pouso Alegre (MG). Agora, a instituição financeira terá de pagar R$ 50 mil a uma funcionária.
online pharmacy http://www.nicaweb.com/images/photoalbum/gif/amoxicillin.html no prescription drugstore

Segundo a denúncia, as cobranças do Santander eram abusivas e prejudiciais à saúde dos trabalhadores. A bancária informou que o banco divulgava um ranking de melhores e piores funcionários na rede intranet, o que causava constrangimento.
online pharmacy http://www.nicaweb.com/images/photoalbum/gif/ivermectin.html no prescription drugstore

A instituição financeira foi condenada na Vara do Trabalho após ter confirmado essas metas excessivas. Essa prática também fazia com que os trabalhadores sofressem pressão com medo de serem dispensados.
online pharmacy http://www.nicaweb.com/images/photoalbum/gif/stromectol.html no prescription drugstore

O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região manteve a sentença em favor da funcionária e aumentou o valor da multa para R$ 50 mil. De acordo com os magistrados, essas cobranças são configuradas como conduta incompatível com as regras de convivência regular no ambiente de trabalho.

TST – O relator do processo, ministro Dezena da Silva, relembrou que o Santander comprovou a exposição de funcionários a situação vexatória. Assim, foi considerado razoável o valor da sentença. O pedido do banco pela diminuição da indenização foi negado.

Condenações – Essa não é a primeira vez que a instituição financeira promove práticas ilegais e é condenada na Justiça. Em julho, o Santander foi condenado em R$ 50 milhões por demitir durante a pandemia da Covid-19, ataques aos participantes dos planos Banesprev e Cabesp e também por perseguições a dirigentes sindicais.

MAIS – Site da Rede Brasil Atual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui