19.1 C
São Paulo
segunda-feira, 24/06/2024

Bancários assinam Convenção Coletiva

Data:

Compartilhe:

Por votação eletrônica 78,37% dos bancários aprovaram a Convenção Coletiva da categoria. Percentual considera apenas os resultados daqueles sindicatos que utilizaram a ferramenta disponibilizada pela Contraf-CUT.  Assinatura do documento ocorreu nesta sexta (2).

Antes do acordo entre os trabalhadores e a Fenaban (representante dos bancos) foram realizadas 22 rodadas de negociações. Os bancos se negavam a atender as demandas da categoria. Porém, após meses de negociação, os bancários conquistaram aumento real de 0,5% (INPC + 0,5%) para salários, PLR, VA/VR.

SALÁRIO – O acordo aprovado vale para 2022 e 2023 e obteve vitórias importantes para a categoria. Reajuste de 8% nos salários, aumento de 10% nos vales-alimentação e refeição, além de um adicional de R$ 1.000,00 em vale-alimentação, a ser creditado até outubro.

“Conseguimos que os bancos dessem aumento acima da inflação para os vales-alimentação e refeição, um dos anseios que a categoria nos demonstrou na Consulta Nacional dos Bancários”, disse a presidenta da Contraf-CUT e coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, Juvandia Moreira.

PLR – A proposta também prevê, para 2022 e 2023, reajuste de 13% para o teto da parcela adicional da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

“Com o constante crescimento nos lucros dos bancos, o aumento do teto da parcela adicional da PLR possibilita maiores ganhos para os trabalhadores”, completa Juvandia

TELETRABALHO – A nova Convenção também avança nesta questão.  Agora, além da ajuda de custo, os bancos terão de ter maior controle sobre a jornada para todos os trabalhadores que atuam em home office.  Eles também ficam obrigados a fornecer manutenção dos equipamentos e assegurar o direito  à desconexão para que gestores não demandem os trabalhadores fora do horário de expediente.

ASSÉDIO SEXUAL – após os escândalos que envolveram o ex-presidente da Caixa Federal, a prevenção ao  assédio sexual e moral ganhou ainda mais força durante as negociações da nova Convenção.

Agora, uma nova cláusula sobre assédio sexual fará repúdio a esta prática e os gestores e empregados passarão por treinamento para precaução e esclarecimento sobre medidas cabíveis pelos bancos.

Também está em debate a participação das entidades sindicais no canal de denúncias a ser criado, assim como o acompanhamento dos casos pela comissão bipartite de diversidade, que já existe.

MAIS – CONTRAFCUT  e Sindicato

LEIA TAMBÉM:

METROVIÁRIOS DE SP ENCERRAM PROCESSO ELEITORAL

ENSINO SUPERIOR PRIVADO OBTÉM AVANÇOS NA CAMPANHA

SINDICALISMO LEMBRA QUE VETO DE LULA BARROU PEJOTIZAÇÃO

PREPARE-SE PARA AS ELEIÇÕES!

 

 

Conteúdo Relacionado

Avançam as negociações pró-custeio sindical

Centrais, Confederações e outras entidades, com apoio das assessorias, articulam em Brasília um modelo estável de custeio sindical.Para André Santos, originário do Diap e...

Sindicato dos Metalúrgicos negocia e mais 400 recebem PLR

O Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região conduziu, entre segunda (17) e terça, dia 18, mais duas assembleias de Participação nos Lucros e/ou...

Greve na Renault conquista R$ 25 mil de PLR

A forte greve na Renault/Horse, em São José dos Pinhais, PR, terminou com avanços. Após o fim da movimento, de um mês, a empresa decidiu...

Comerciários aumentam serviço médico

O Sindicato dos Comerciários de Guarulhos aumentou as parcerias médicas. Agora, além de tratamento odontológico, sócios e dependentes dispõem de consulta gratuita com cardiologista...

Centrais e Lula clamam pela queda dos juros

As Centrais Sindicais protestaram na terça (18) em frente ao Banco Central, em SP, reivindicando a continuidade da queda nas taxas de juros -...